PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO - 6ª SUBSEÇÃO DE SINOP

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Julho de 2018 | Ver mais
D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 # # # #

Notícia | mais notícias

OAB pede revogação de provimento que uniformiza procedimentos de levantamento de depósitos judiciais

05/07/2018 14:00 | Provimento CNJ

    O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) requereu à Corregedoria Nacional de Justiça (CNJ) a reconsideração do Provimento número 68, de 3 de maio de 2018, que dispõe sobre a uniformização dos procedimentos referentes ao levantamento de depósitos judiciais e ao bloqueio de valores.

    O provimento estabelece que decisões, monocráticas e colegiadas, que deferem pedido de levantamento de depósito condicionam-se necessariamente à intimação da parte contrária para apresentar impugnação ou recurso, caso queiram. O levantamento somente poderá ser efetivado dois dias úteis após o esgotamento do prazo para recurso.

    No pedido, a OAB solicita a revogação do dispositivo, ante à violação aos ditames constitucionais e legais.

    “Ao demandar a intimação da parte adversa, ao condicionar a atuação judicial ao prazo recursal, bem como ao estabelecer prazo específico para o levantamento do alvará, o Provimento termina por criar mecanismos propriamente processuais, não escudados em lei. À luz dessas considerações, tem-se que o aludido ato normativo está em contrariedade com o princípio da reserva legal”, diz o documento protocolado pela Ordem.

    A OAB argumenta ainda que o provimento “extrapola as funções da Corregedoria Nacional ao invadir atividade propriamente jurisdicional, fora de sua competência constitucional”. “Eis que a decisão que determina o levantamento do depósito é ato propriamente jurisdicional, portanto alheio à regulação do CNJ, uma vez que não se confunde com o mero processamento do pagamento, fase posterior, esta sim, de caráter administrativo”, afirma a peça.

    Ainda, no requerimento administrativo, o Conselho Federal solicita o reconhecimento da inaplicabilidade do provimento aos honorários advocatícios e adequação aos artigos 22ª, §4º, e 23º do Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil.
 


Facebook Facebook Messenger Google+ LinkedIn Telegram Twitter WhatsApp